Pelo Twitter, Bolsonaro afirma que governo não abandonará LGBT

Em decreto, foi mantida a Diretoria de Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais

Publicado em 03/01/2019
jair bolsonaro lgbt direitos humanos
"Não haverá abandono de auxílio a qualquer indivíduo", disse presidente. (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Não foi apenas o ano que mudou. Como deputado federal, por anos, Jair Bolsonaro (PSL) falou que agrediria homossexuais caso visse casal gay se beijando e que LGBT só queriam privilégios, por exemplo. Agora, como presidente da República, houve mutação no discurso. 

Curta o Guia Gay Floripa no Facebook 

Nesta quinta-feira 3, pelo Twitter, o mandatário tratou da população LGBT em tom de defesa.

"Não haverá abandono de auxílio a qualquer indivíduo nas diretrizes de Direitos Humanos. A Secretaria Nacional da Família, Secretaria Nacional de Proteção Global e o Conselho Nacional de Combate à Discriminação ficarão responsáveis por este papel", escreveu Bolsonaro.

A mensagem claramente foi resposta à polêmica criada pela mídia na quarta-feira 2 após divulgação da Medida Provisória nº 870/19. O conselho citado cuida especificamente de LGBT, e a diretoria LGBT é subordinada à secretaria referida. 

Mais
>>> Bolsonaro mantém estrutura LGBT de Lula, Dilma e Temer

O documento, que dispõe sobre a estrutura do governo até o segundo escalão, foi avaliado erroneamente pela imprensa em geral como se houvesse exclusão de LGBT das políticas do governo Bolsonaro.  

Apontou-se a ausência do termo LGBT do ato governamental como demonstração de rechaço à comunidade arco-íris.

Entretanto, o Conselho Nacional contra Discriminação, que cuida há quase uma década da pauta arco-íris, por exemplo, estava na medida provisória e nunca teve a sigla LGBT no nome. 

E não foi só pela rede social que o novo governo tratou novamente de LGBT.

Foi publicado o decreto nº 9,673./19, no qual é mantido órgão para fazer políticas públicas em prol do segmento, a Diretoria de Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, que ficará subordinada à Secretaria Nacional de Proteção Global do Ministério das Mulheres, Família e Direitos Humanos. 

A expressão "Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais" é citada sete vezes do decreto. A diretoria terá três funcionários. 


© Todos direitos reservados à Guiya Editora. Vedada a reprodução e/ou publicação parcial ou integral do conteúdo de qualquer área do site sem autorização.