'Segundo Sol': final teve beijo gay e casal lésbico feliz

Novela de João Emanuel Carneiro quebrou histórico do autor de separar casais homossexuais

Publicado em 10/11/2018
Beijo gay no final de Segundo Sol com André Dias
Groa (Andé Dias, à dir.) beija homem no final da trama das nove

Bastante criticada, Segundo Sol deu um alívio momentâneo ao menos para o público LGBT em seu último capítulo.

Curta o Guia Gay Floripa no Facebook

No final da trama, exibido na sexta-feira 9, Groa (André Dias) aparece dando um grande beijo em um rapaz com quem estava se relacionando.

A cena foi exibida com naturalidade em meio a uma festa promovida por Beto Falcão (Emílio Dantas) em frente a sua casa.

Durante os seis meses da novela, o personagem, que, claramente era homossexual, não teve história para chamar de sua.

À certa altura, Groa passou a tomar conta de um terreiro de candomblé, que jamais teve importância na novela. Em cerca de 99% do tempo, o finlandês aparecia como "orelha" de Luzia (Giovanna Antonelli) - orelha é um jargão televisivo para definir personagens que servem para escutar o drama de outro.

O papel foi escrito para André Frateschi, que deixou o elenco semanas antes da novela estrear já que além de atuar, ele também tinha compromissos como cantor. Sem dúvida, o ator fez a coisa certa.

O casal lésbico ficou junto. Após uma semana (que no folhetim foram meses), o trisal formado por Maura (Nanda Costa), Selma (Carol Fazu) e Ionan (Armando Babaioff) se desfez.

O policial disse ter se sentido excluído e ter percebido que elas se completam. Um alívio, já que a "cura gay" é recorrente nas tramas de João Emanuel Carneiro.

O modo como o autor trata a bissexualidade em suas tramas, de forma enviezada, desfavorece a compreensão tanto da bi como da homossexualidade. 

Em A Favorita (2008), Orlandinho (Iran Malfitano) deixou de ser gay após se apaixonar por Céu (Deborah Secco). Em Avenida Brasil (2012), Roni (Daniel Rocha) topou uma relação a três com Leandro (Thiago Martins) e Suelen (Isis Valverde). Em A Regra do Jogo (2015), Duda (Giselle Batista) traia a namorada, Úrsula (Júlia Rabello), com o cunhado, Vavá (Marcello Novaes).

A impressão é que casais de gays e lésbicas jamais podiam ser felizes nas novelas de Carneiro. Desta vez, ao menos, o amor homossexual venceu.

 


© Todos direitos reservados à Guiya Editora. Vedada a reprodução e/ou publicação parcial ou integral do conteúdo de qualquer área do site sem autorização.