Gay processa Grindr por ex se passar por ele no aplicativo

Ação pode mudar forma que empresas de software são responsabilizadas

Publicado em 07/01/2019

App gay Grindr

Um norte-americano que sofreu perseguição por meio do Grindr está processando o app, o que pode fazer com que a empresa mude sua política de segurança.

Curta o Guia Gay Floripa no Facebook

Após terminar um relacionamento, o garçom e ator Matthew Herrick, de Nova York, passou a ser assediado pelo ex no aplicativo.

Durante meses, o homem criou perfis falsos no Grindr e enviava o endereço da casa e do trabalho de Herrick para homens aleatórios. Até uma dúzia de homens por dia chegava a aparecer nos endereços do ator à procura de sexo.

Herrick abriu 14 boletins de ocorrência e entrou com ação contra o app em 2017. O caso foi parar, esta semana, em tribunal federal de apelações dos Estados Unidos.

O Grindr espera se defender valendo-se de lei de 1996 que garante a liberdade de expressão on-line e que protege as empresas de qualquer responsabilidade.

Os advogados do ator, no entanto, segundo a NBC News, colocarão o caso na mesma seara de produtos que dão defeito, tal como máquina de lavar ou faca elétrica, para que empresas de software sejam responsabilizadas pelos danos.

De acordo com a reportagem, o caso de Herrick despertou o interesse da indústria de tecnologia, seus defensores e seus críticos, que veem o processo como teste para possível nova teoria legal para responsabilizar empresas de tecnologia.


© Todos direitos reservados à Guiya Editora. Vedada a reprodução e/ou publicação parcial ou integral do conteúdo de qualquer área do site sem autorização.