ELEIÇÕES
Informações para que você e toda comunidade LGBT votem de forma consciente

Um dos maiores inimigos de LGBT, Magno Malta perde para Senado

Após 16 anos no Senado, homofóbico ficou com na 3ª posição e não se reelegeu

Publicado em 07/10/2018

Magno Malta, inimigo dos gays, não se reelege para o Senado

Quem acompanhava a movimentação do Senado brasileiro nos últimos anos com certeza deparou-se com a homofobia de Magno Malta (PR).

Curta o Guia Gay Floripa no Facebook

Após um mandato como deputado estadual (1995-1999) e outro como federal (1999-2003), pelo Espírito Santo, Malta chegou ao Senado, em 2003, e de lá parecia que não sairia mais. Mas saiu!

Neste domingo 7, os eleitores capixabas deixaram o político em terceiro lugar e não o reelegeram após dois mandatos consecutivos de oito anos cada no Senado.

O senador, que chegou a ser cogitado para ser vice na chapa do candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL), coleciona inúmeras declarações - e ações no Congresso -contra LGBT.

Em 2015, do púlpito do plenário, citando a Bíblia a cada 30 segundos, disse, segundo o Diário do Centro do Mundo: "Se você não aplaude o homossexualismo, é homofóbico. Somos todos homofóbicos, então (...) Fui eleito pelos que acreditam em família nos moldes de Deus, macho e fêmea. Fora isso é anomalia."

Quatro anos antes, em entrevista ao extinto portal Mix Brasil, de acordo com o Gospel Mais, Malta afirmou que o Brasil não era homofóbico e que homossexuais sofrem uma discriminação "sutil", comparando-os aos anões em relação ao nível de preconceito.

"O Brasil não é homofóbico", disse. "O brasileiro convive sem guerra ou violência física com as diversidades de raça, credo, ideologia política e até mesmo social. Homofobia é agressão, violência truculência, crueldade. (...) De forma sutil, o pobre, o homossexual, o negro, índio, evangélico, judeu, anão, obeso, idosos e até mulheres são vítimas de discriminação."

À época, ele assim se justificava para não votar a favor do Projeto de Lei 122/2006, da então deputada Iara Bernardi (PT), que aprovaria a penalização contra a discriminação a LGBT.

Em outra ocasião, Malta chegou até a dizer que renunciaria ao mandato caso o PL fosse aprovado. "Se o projeto de lei 122, que excita a criação de um terceiro sexo, for aprovado, com dignidade de cristão, renuncio do mandato de senador."

 


© Todos direitos reservados à Guiya Editora. Vedada a reprodução e/ou publicação parcial ou integral do conteúdo de qualquer área do site sem autorização.