Travesti brasileira é homenageada em museu de Berlim

Luana Muniz fez importante trabalho social com pessoas trans, travestis e soropositivos no Rio de Janeiro

Publicado em 10/09/2018
Luana Muniz - travesti brasileira é homenageada no museu gay de Berlim, Alemanha
'Tá pensando que travesti é bagunça?'

A travesti brasileira Luana Muniz, falecida em 2017, é homenageada no Schwules Museum, voltado ao público LGBT em Berlim.

Curta o Guia Gay Floripa no Facebook

Famosa pelo bordão "Tá pensando que travesti é bagunça?", Luana foi eleita a personalidade de setembro pela instituição.

Durante anos, Luana acolheu mulheres trans e travestis, prostitutas e portadores de HIV em um casarão na Lapa, região central do Rio de Janeiro.

Ela foi presidente da Associação dos Profissionais do Sexo do Gênero Travesti, Transexuais e Transformistas do Rio e uma das fundadoras do Projeto Damas, da Prefeitura do Rio, que capacita pessoas trans e travestis para o mercado de trabalho.

Luana era amiga do padre Fábio de Mello que declarou que a ativista o fez perder o preconceito com as travestis ao ver o trabalho social que ela fazia.

Luana morreu aos 59 anos após complicações renais e do coração decorrentes de uma pneumonia bilateral.

O Schwules Museum é um dos únicos três do mundo dedicados especificamente à comunidade LGBT - os outros estão em São Francisco (EUA) e em São Paulo.


© Todos direitos reservados à Guiya Editora. Vedada a reprodução e/ou publicação parcial ou integral do conteúdo de qualquer área do site sem autorização.